Show info
Trópico

(41) 4022 3322
contato@tropico.tv

TR_Prisma_PressKit_MkgOf_9

Publicado em 15 de outubro de 2013


Curta paranaense participa de festival nos EUA

Texto publicado na edição impressa da Gazeta do Povo de 15 de outubro de 2013 por Paulo Camargo.

 

O curta-metragem Prisma, filme de estreia do cineasta curitibano Matheus Marco Moraes, participa nesta semana do Polari: The Austin Gay & Lesbian International Film Festival, que acontece de amanhã até domingo na cidade de Austin, capital do Texas, nos Estados Unidos.

O filme, que terá sua exibição na quinta-feira, foi selecionado para uma seção especial da mostra, voltada a produções experimentais, e será exibido sob a forma de instalação, semelhante às que são vistas em museus de artes, com fones de ouvido, o que permitirá uma maior proximidade entre o espectador e a obra.

Prisma proporciona ao público uma experiência incomum: o curta narra, sempre com três quadros na mesma tela, o encontro em um parque entre dois amigos. Vividos pelos atores Roger Batista e Gabriel Hubner, eles são jovens e estão na fase da descoberta do amor e da sexualidade. O que dizem e o que sentem nem sempre coincidem, e há uma constante tensão ao longo da narrativa, que, como um prisma, não se limita a abordar o visível, mas também o que escapa ao olhar em um primeiro momento.

Moraes conta que escolheu esse formato com o objetivo de retratar não apenas o que se dá na superfície de um relacionamento afetivo, que começa a tomar outros rumos, mas cujos contornos ainda estão algo borrados, inexatos. Nos quadros, as imagens, exibidas paralelamente, retratam o que acontece no plano do real, mas também imagens que sugerem o estado emocional dos dois personagens. As cenas foram gravadas no ano passado, no Parque Passaúna.

Formado em Cinema e Vídeo pela Faculdade de Artes do Paraná (FAP), em 2012, Moraes se prepara para realizar, no ano que vem, seu próximo filme, O Retrato da Imagem Quando Jovem, adaptação livre do romance O Retrato de Dorian Gray, clássico do escritor irlandês Oscar Wilde (1854-1900). O projeto foi aprovado pela Lei Municipal de Incentivo a Cultura.

, , , , ,